Trintei e muita coisa passou

por

Fiz 30 e muita coisa morreu dentro de mim. A paciência para os problemas fúteis, a tolerância com gente inconveniente, a vontade de ficar mendigando afeto e principalmente: a baixa autoestima. Não, não estou me amando 100%, mas ô coisa boa essa tal de autoestima elevada! A gente descobre que não merece menos do que tudo que queremos ser/alcançar. A gente supera, a gente evolui. Vai por mim.

Biquíni Loja Moreira - Nova Londrina

A história do tal “INFERNO ASTRAL” é real. Insuportavelmente real na verdade. Um mês antes dos 30 lá estava eu quase entrando em depressão. Demorei muito para finalmente escrever sobre como estou após trintar. Mas como uma amiga me disse: "Não existe essa história de contar nos dedos, basta sentir".

Foto: Anne Biscola / Makeup Camila Arrabaça

Com apenas 30 anos eu posso dizer que consegui sobreviver a muita coisa...

Sejam bem-vindos ao meu mundo! Aos 30 anos do meu mundo!

Aos 8/9 anos de idade sofri um terrível abuso sexual (mas calma, consegui fugir). Evitei o “pior”, mas as marcas ficaram queimando como fogo por anos e anos. Depois disso não preciso nem falar que tive uma infância não tão "sutil", não é? Mas a força nasce realmente com a gente e sentia que precisaria dela por anos e anos (que bom que cresceu dentro de mim). Vivi uma infância muito pobre, mas muito feliz apesar dos pesares! Estava sempre no topo das árvores, jogando bola com os meninos ou arrancando cabeças de bonecas. Mas o que eu amava mesmo era sentir-me heroína. Achava que poderia controlar o vento - eu ACREDITAVA muito nisso! Muitas vezes podia sentir que estava tudo sob meu controle. Magia pura.

Aos 20 anos saí de casa tentando buscar meu rumo. Passei fome e descobri o real valor de uma alimentação simples. Troquei almoço por jantar várias e várias vezes e pensava em desistir de tudo umas 10X/dia. Respirei beeem fundo e continuei. Apaixonei-me, fui feliz, juramos amor eterno, quebrei a cara, recomecei, chorei, implorei... LEVANTEI! Superei. Fiz jornalismo e senti no peito/pele as "consequências" dessa profissão tão sensacional a qual respeito muito. Sim, já trabalhei em televisão e não, não foi na Globo! Hahaha.

Quando a gente faz 30 anos muita coisa morre dentro da gente, mas também morre a tal da COVARDIA. Você acorda pensando: vou esperar mais 30 anos pra realizar tudo que sonho? Por que isso? E aí tudo se transforma e você se imagina imbatível novamente! E com a idade chegando passei a odiar o comodismo, mas sei valorizar muito o dia de folga em casa jogada no sofá, comendo besteira e tomando uma gelada.

Meu lugar preferido no mundo / Coqueiros Florianópolis SC

Aos 30 eu amo sair/viajar sozinha. É tão bom aproveitar a nossa companhia. Experimente você também. É revigorante e "terapêutico". Ah, falando em terapia: Faça! Vai sentir arrependimento em não ter começado antes. Procure já um psicólogo de sua confiança e conte tudo!

Aos 30 percebemos que 90% dos “amigos” que a gente teve ao longo dos anos eram só "conhecidos de festas" e que alguém que você conhece há 15 dias pode fazer mais por ti que qualquer outra pessoa no mundo. Empatia!

Pois bem, passei dos 30 e ainda não conheci a África, nem me aventurei num safári. Eu trintei e não rodei o mundo. Mas ainda dá tempo (assim espero). A gente sempre espera o melhor!

Porto Rico - PR - Anne Biscola

Aos 30 descobri que o tal do colágeno morre (ó céus). Já estou na idade pra usar aqueles produtos antirrugas que vendem nas revistas de cosméticos? Assustador.

No ano dos 30 eu tive uma crise de ansiedade tão intensa que levou não só minha paciência como também parte dos meus cabelos.

Descobri a agressividade da doença fibromialgia e senti na pele a sensação de literalmente travar. Parei no hospital jurando que estava tendo um infarto (achei REAL que estava morrendo). Mas não é que a gente sobrevive? haha.

Eu trintei e não adotei meu/minha filho(a) ainda, mas sei que ele já nasceu. Sei também que um dia (não tão distante) a gente vai se abraçar e será o dia mais lindo da minha vida! Eu sei que mãe é alma nunca foi corpo. Não podia/pode ser. Aos 11 anos prometi que um dia seria mãe de coração e serei.

Corte de cabelo e coloração: Evelin Almeida

Aos 30 anos moro com meus pais. Frustrante? Sim, mas aí você percebe o grande privilégio que é estar com (provavelmente) as únicas pessoas no mundo que você pode realmente confiar. Poder aproveitar o carinho e amor intenso dos pais é algo realmente encantador e único. Sou grata por isso.

Papito! Decoração: Slavieiro/ Doces: Doce Mel Gourmet/ Lembrancinhas: Trombetas Art / Makeup: Juliana C. Lucena

Mâmis! Decoração: Slavieiro/ Doces: Doce Mel Gourmet/ Lembrancinhas: Trombetas Art / Makeup: Juliana C. Lucena

E a cada dia estou mais apaixonada por Harry Potter, Star Wars, Marvel, DC e Naruto. Falando nisso, olha só meu bolo lindão presente das amigas)

Aos 30 anos eu reafirmei meu ódio pela cor  rosa -mas já a aceito em algumas ocasiões. Também sou "A LOUCA" dos felinos! Serei uma daquelas senhoras solteironas, viciadas em séries com 10 gatos na varanda? Será? haha.

Sim eu sei, trintei e não casei. Não fiz a festa dos sonhos à beira-mar ou no alto das montanhas. Eu não tive a oportunidade (ainda) de poder tocar uma música do Gun’s no piano, arriscando minha performance. Ainda não aprendi a dançar tango, nem fiz alguma apresentação pública de dança (meta de vida). Ainda não tive a sorte de encontrar o tal do “juntos para sempre”, mas sei que um dia a gente se esbarra por aí! Por enquanto: tranquilidade no coração.

E para finalizar o "diário": Aos 30 anos eu descobri que estou bem, mas que daria tudo pra voltar um dia dos meus 20 anos e alertar sobre o que eu viria a passar. Mas a vida é assim, ela não avisa, ela só acontece e por isso, RECOMEÇO todos os dias.

Maiô Loja Moreira - Nova Londrina/ Foto: Anne Biscola/ Makeup: Camila Arrabaça

 

 

Compartilhe esse artigo