FIBROMIALGIA: A GRANDE DESCONHECIDA

por

Da Espanha para Revista Nova Folha - Por Greyce de Jesus Ferreira


foto: divulgação/internet

A FIBROMIALGIA é uma doença que causa DOR musculoesquelético crônico (de longa duração), acompanhada de distúrbios psicossociais, tais como a ansiedade, depressão, distúrbios do sono, do apetite, entre outros...

A dor crônica causa um grande impacto na função física, emocional e cognitiva da pessoa que a sofre. É capaz de produzir mudanças fisiopatológicas em múltiplos órgãos e, geralmente, o surgimento do estresse psicológico.

Existem várias classificações da dor, a maioria se baseia em aspectos como a localização, a origem, a qualidade, a intensidade, duração, assim por diante. A dor crônica é aquela com uma duração superior a 6 meses, causando um forte impacto sobre a função física, emocional e cognitiva, sobre a vida familiar e social, bem como atrapalha a capacidade de trabalhar. Em muitos casos os analgésicos farmacológicos não são suficientes para minimizar as dores, podendo, em casos de uso indiscriminados - até provocando mudanças em nível de múltiplos órgãos e estresse psicológico grave.

A fibromialgia é um das doenças que causa dor musculoesquelético que se generaliza por todo o corpo de forma crônica, sendo esse seu principal sintoma. Há vários estudos sobre sua origem, mas a ciência ainda não descobriu, restando ainda desconhecida à verdadeira causa da doença, sendo um grave problema para médicos e pacientes.

A ansiedade é uma resposta patológica do ser humano a certas situações da vida cotidiana e, com o aumento do estresse, piora a dor. Há diversos estudos científicos que mostram a relação entre a dor crónica e a ansiedade. No caso da fibromialgia os resultados revelam que mais de um 50% dos pacientes sofrem com ansiedade e depressão.

Alguns estudos destacam que o catastrofismo é o principal variável na relação entre dor e ansiedade, o descreve como um círculo vicioso, onde a ansiedade produz contração muscular que ao mesmo tempo produz o aumento da dor e essa incrementa a ansiedade e assim sucessivamente.

A depressão é um estado de ânimo negativo (tristeza profunda), fazendo com que o paciente perca a capacidade e o desejo de enfrentar as situações da vida cotidiana.

No caso da fibromialgia, diagnosticar o paciente com dor crónica é extremamente complicado em muitos casos, porque os sintomas confundem com outros problemas como a fadiga, a insônia os transtornos do apetite.

A fibromialgia é uma DOENÇA COMPLEXA. Há dificuldade no diagnóstico e muita insegurança do prognóstico.  A singularidade dos sintomas faz com que seja gerado problemas para o médico e paciente, esse último, sofrendo com incompreensão de muitos profissionais da área médica, de familiares, de amigos e nas relações de emprego.

É importante que as pessoas conheçam seu próprio corpo e que insistam até chegar a um diagnostico definitivo. É importante que o paciente busque manter-se informado sobre a fibromialgia, bem como novos tratamentos, assumindo que é uma doença crônica, com isso, procurando:

  • Auxílio médico;
  • Psicanálise;
  • Psicossomática;
  • Grupos de apoio e tratamento psicológico, acupuntura, RPG, esporte de forma paralela ao tratamento farmacológico também é uma boa opção.

Exercícios físicos são essenciais

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) “calcula que a fibromialgia afeta cerca de 3% da população”, ou seja: Mais de 6 milhões de brasileiras (os).

Há muito que trabalhar em nível médico e social, promovendo-se campanhas informativas, visando aumentar a visibilidade sobre a FIBROMIALGIA - o que ajudará os pacientes ter uma melhor qualidade de vida física e emocional - pois é inadmissível que uma doença tão grave ainda seja desconhecida pela maioria da população brasileira e mundial.


Greyce de Jesus Ferreira - Paranavaiense que reside na Espanha há 15 anos.

É graduada em Enfermagem pela Universidad de Almeria – Espanha; Mestrado de Urgência, Emergência e Catástrofes pela Universidad de Salamanca – Espanha; Pós-graduada em Patologia Vascular pela Universidad Miguel de Cervantes de Madrid –Espanha; Pós-graduada em Geriatria e Cuidados da Idade Adulta pela Universidad Miguel de Cervantes de Madrid - Espanha.

Compartilhe esse artigo