POLÍTICA PRESENTE

por

POIS POLÍTICA SE DISCUTE SIM

 

 

A maioria das pessoas não conhece o significado do conceito de política, limitam sua compreensão aos aspectos da política partidária, elevando suas impressões somente sobre partidos políticos e eleições, eis um erro grave!

A palavra política é de origem grega e tem como objetivo expressar as relações entre as pessoas sobre temas que dizem respeito a vida em sociedade e as relações do cidadão com o Estado/Governantes. Assim, a partir dessa breve definição, podemos observar uma amplitude em seu cotidiano, mesmo que você não tenha consciência desse fato.

Vejamos dois exemplos:

Um filho - adolescente - negocia com seus pais um passeio no fim de semana. Ele está buscando seu objetivo (que é conseguir a autorização para sair), mas às vezes os pais não querem permitir, então, instaura-se um conflito - que pode e deve - ser resolvido através do diálogo e exposições de argumentos de ambos os lados até que se obtenha uma solução. Isso também é política!

Agora, pensemos noutro exemplo: Dois amigos estão conversando e um deles começa a falar sobre os problemas na saúde pública, dos buracos no asfalto da sua cidade, na falta de segurança pública etc, afirma que os governantes (“políticos”) não fazem nada para resolver tais problemas. Frente a tais comentários o outro responde: “Eu não gosto de política, política é coisa pra gente desonesta, político é tudo igual, são corruptos - e arremata dizendo: “Não discuto porque não resolve nada, sempre foi e sempre será assim!”

Nesse exemplo, podemos observar que o objeto da conversa é a coisa pública, - assuntos que dizem respeito a todos os cidadãos, mas por que muitas pessoas se recusam conhecer mais sobre política (nesse caso, a politica partidária)? As respostas são complexas, mas o conhecimento histórico/social do nosso país nos apontam algumas questões centrais para começar a reflexão:

Nosso país acabou de completar 518 anos da chegada dos portugueses. Desde do ano de 1500 até 1891, tivemos a monarquia como sistema de governo, onde a cidadania era limitada a poucas pessoas, ou seja, as decisões eram tomadas de “cima para baixo”. Em 1891 é instaurada a República, que significa, teoricamente, o governo do povo com uma maior participação popular, mas, na prática, pouco mudou, apenas pequena parcela da população atuava na vida política, assim, continuando a exclusão da maioria do povo da vida politica do Estado.

Com a promulgação da Constituição de 1988, amplia-se significativamente os direitos de todos os cidadãos atuarem na esfera pública, inclusive em decisões que os governantes tomam no dia a dia.

Hoje com as novas tecnologias, podemos - e devemos - acompanhar as decisões dos governantes e legisladores, tendo a liberdade de se manifestar para tentar ajudar/opinar nas decisões estatais. Mas isso não ocorre na prática, se você não frequenta as sessões da câmara de vereadores de sua cidade, acompanha as ações do prefeito para verificar se as promessas de campanha estão sendo cumpridas, se você não analisa as informações falsas que chegam até você.

As pesquisas indicam que a maioria das pessoas nem se quer lembram em quem votaram na última eleição! Reflexo dessa exclusão histórica que vimos acima.

Vejamos, a nossa história mostra que a maioria da população nunca pode atuar nas decisões dos governantes (políticos), soma-se a isso o fato dos diversos governos ao longo do tempo, governarem o país segundo seus interesses em detrimento do interesse da maioria da população, além dos casos de corrupção que existem desde a chegada dos portuguese nesta terra no ano de 1500. Diante o exposto, é compreensível (mas não aceitável) que as pessoas repudiem a política, pois ainda acham que ser cidadão é apenas votar no dia das eleições e depois deixar que os políticos eleitos decidam tudo.

Por fim, lembre-se: Se você não participar e discutir politicamente, outros irão e tomarão decisões em seu lugar, sejam elas boas ou ruins para você! Tenha voz! Tenha vez! 

Forte abraço e até a próxima!

 

Por: FABIANO FERREIRA: Professor de pós-graduação, escritor, palestrante, consultor empresarial, graduando em direito e autor do livro: Por que as empresas perdem clientes?

Entre em contato através do número: (44 ) 9 9969 18822

Compartilhe esse artigo